AS BORBOLETAS




As borboletas em sua graça absurda nunca me enganaram. Olho-as com a alma surda, com a minha verdade cega. Morro quase sempre naquelas asas efêmeras, entendo que a brevidade do momento vale sempre mais que todas as palavras que ainda não me disseram.Não quero ouví-las também. O melhor nunca significa que seja um grande bem. A grande beleza é sempre a subjetividade que cada um/a guarda como tesouro e fantasia.



Karla Bardanza

0 comentários:

Postar um comentário

Pode falar agora!