EQUILÍBRIO



Equilibro-me. Fico suspensa entre o nada e o lugar nenhum, pensando no céu, totalmente absorta pelo chão sem chão. Não tenho asas mais, perdi-as na última tentativa de ser o que o self queria. Encosto as mãos e os pés nas paredes, andando na contramão de mim mesma, largando os absurdos todos meus em cima do passado.Resisto. O grande encanto é esse instante de flutuação obscena. Talvez, precise de um pouco mais de ar, talvez precise estar enquadrada nos acontecimentos que não me enquadram. Minha maior contradição é o agora sem hora para terminar, é o eterno fluxo que me empurra para fora do corpo. Estou dentro deste momento sem início ou fim. para além do céu, para além de mim.


Karla Bardanza

0 comentários:

Postar um comentário

Pode falar agora!