SONHOS FERIDOS


Ele a matou e ainda assim ela continuou viva. Ela nunca entendeu, nunca pode entender o que era aquilo, aquelas coisas que ela tinha medo de pronunciar. No início, ela pensou que tudo fosse desmanchar no ar e via carneiros, bonecas e bolas. Ela era tão pequena mas o mundo inteiro cabia dentro dela. Às vezes, debruçava-se na janela e contava as estrelas sem contar, esperando um milagre ou uma explicação. Eles nunca vieram.O tempo também não trouxe redenção: a dor está lá, em algum lugar dentro dela.

Quando olha para trás, ela lembra. Acho que ela tem os olhos mais tristes que existem. Eles viram tantas coisas antes do tempo, eles nada revelam.  Dentro deles há tardes que se apagaram, palavras flutuando, vazios que jamais serão preenchidos.Dentro deles apenas sonhos feridos, os mesmos sonhos feridos.


Karla Bardanza

0 comentários:

Postar um comentário

Pode falar agora!