AS COISAS QUE A ALMA QUERIA

Fotografia de Ruven Afanador



Fechou o livro e sentiu-se igualzinha a Teresa do conto de Caio Fernando Abreu. Era uma Teresa pos-moderna mas com as mesmas dúvidas e ambições de casamento. Ficou pequeninha depois que leu a sua vida na vida da outra. Tinha tudo dado errado. Tudo mesmo. Não ficava na janela com um coque sem graça. Ficava em frente ao computador, tentando esquecer a solidão, a insatisfação, a virgindade dos dias quase eternamente iguais.


Não suspirava pelo príncipe encantado mais. Servia um sapo mesmo. Feio, tolo, intelectualmente inferior. Não tinha mais problema lidar com essas coisas que um dia foram condições. Seu controle de qualidade tinha despencado com a idade e a necessidade de ser amada. Qualquer um podia estar ali. Estranho é que nem assim a fila andava. Não sabia onde estavam os sonhos românticos de completude. Isso já havia se perdido dela. O que era ela então?


Esquecia aos poucos as coisas que a alma queria com voracidade. Estava viva e respirando e isso era um ganho enorme. Tinha perdido a paixão, a vontade e a ousadia. A vida resumia-se a uma tela desemocionada, a desencontros com ela mesma. Às vezes, agarrava os livros e eles eram seus melhores amantes. Eles a faziam sonhar novamente. Também ia ao cinema com as amigas. As amigas estavam casadas, infelizes, mas casadas. Já ela, tinha ficado infeliz antes mesmo de casar. Se pelo ao menos ela tivesse um marido para reclamar...Talvez a vida ficasse mais excitante, mais fantástica, mais isso ou aquilo...Estava tão cansada da indelicadeza das coisas e dos sentimentos. estava tão afogada nos oceanos intranquilos de sua desnobre existência.


Pensou em Teresa sempre igual na janela, esperando, esperando o que jamais aconteceria. Pensou no último namorado e no desespero de perder o que nunca havia sido dela. Abriu a janela, olhou os carros, prendeu os cabelos, sentiu-se possuída por Teresa. Ficou ali, olhando, olhando sem pensar, sem sentir. Ficou um pouco coisa. Não tinha problema. Ela já era uma mesmo.




Karla Bardanza




Copyright©KarlaBardanza2012 Photobucket

0 comentários:

Postar um comentário

Pode falar agora!